tudo o que você precisa saber sobre o algoritmo do Google

Nós somos a extensão digital da sua empresa.

Sumário

Marketing
Editor RasDesenv

11 Ferramentas de IA Para Você Testar

A IA está por todo lado. Centenas de aplicativos e ferramentas baseados em inteligência artificial prometem mais velocidade e eficiência e o segredo para escalar

Ler Mais >>
Marketing
Editor RasDesenv

Template de Relatório Pronto para Usar

Uma coisa é analisar os dados que você pode coletar como especialista em marketing. Outra é conseguir visualizá-los de maneira realmente útil para suas estratégias.

Ler Mais >>

Volte um pouco no tempo e você verá que o Google PageRank era A métrica de SEO.

Um aumento na sua pontuação do PageRank era um forte indicativo de que sua estratégia de SEO (e, mais especificamente, sua estratégia de link building) estava funcionando. 

Mas os tempos mudaram e, hoje, o PageRank raramente é mencionado.

E não porque ele deixou de ser importante, mas porque ele não é mais uma métrica aberta ao público.

Neste guia, vamos ver tudo o que você ainda precisa saber sobre o Google PageRank.

O PageRank é um algoritmo do Google que mede a importância das páginas com base na qualidade e quantidade de links que apontam para elas. Ele considera os links recebidos como votos de confiança, ou seja, as páginas que recebem mais links de alta qualidade são consideradas mais relevantes nos resultados de pesquisa.

Antes, os profissionais de SEO podiam ver a pontuação do PageRank de qualquer página por meio da Barra de Ferramentas Google.

PageRank na Barra de Ferramentas do Google
Crédito: Softpedia

Um PageRank de 0 (PR0) representava páginas de baixa qualidade; por outro lado, uma pontuação de 10 (PR10) representava apenas as páginas com mais autoridade na web. 

No entanto, o PageRank funciona em escala logarítmica, e não em uma escala linear.

Muitos profissionais de SEO acreditam que o PageRank funciona em uma base logarítmica de cinco. O que significa que cada aumento incremental representa um crescimento de cinco vezes em importância.

Neste caso, uma página PR4 seria considerada 25 vezes mais importante que uma página PR2.

(Não é duas vezes mais importante, como seria numa escala linear).

O motivo para os profissionais de SEO terem ficado tão obcecados com essa métrica é o fato de o PageRank ser repassado de uma página para a outra. Isso significa que um site pode ganhar autoridade sendo vinculado a outro que tenha uma pontuação do PageRank mais alta.

Simplificando, o PageRank (repassado entre sites por links) ajuda um site a ter uma classificação mais alta. E o algoritmo é baseado no conceito de que uma página será considerada importante se outras páginas de autoridade fizerem um link para ela.

Uma passada rápida pelo histórico do Google PageRank:

  • 1º de abril de 1998: Larry Page e Sergey Brin publicam “A anatomia de um mecanismo de busca hipertextual de grande escala”
  • 1º de setembro de 1998: Larry Page e Sergey Brin registram a primeira patente do PageRank
  • 4 de setembro de 1998: o Google é incorporado
  • 11 de dezembro de 2000: é lançada a Barra de Ferramentas Google
  • 17 de junho de 2004: o Google registra a patente reasonable surfer
  • 12 de outubro de 2006: o Google registra sua patente “seed sets”
  • 8 de março de 2016: o Google anuncia a descontinuação da Barra de Ferramentas

Veja mais detalhes abaixo.

Os fundadores do Google Larry Page e Sergey Brin desenvolveram o PageRank na Universidade de Stanford.

Se analisarmos o artigo que apresentou o Google, podemos ver claramente a referência ao PageRank quando os recursos do mecanismo de pesquisa são explicados:

O mecanismo de pesquisa do Google tem dois recursos importantes que o ajudam a produzir resultados de alta precisão. Primeiro, ele usa a estrutura de link da Web para calcular um ranqueamento de qualidade para cada página. Esse ranqueamento é chamado de PageRank… Segundo, o Google utiliza links para melhorar os resultados de pesquisa.

— A anatomia de um mecanismo de pesquisa da Web hipertextual em larga escala — Sergey Brin e Lawrence Page

O artigo continua, explicando que: “O gráfico de citação (link) da web é uma fonte importante que, em sua maioria, não é utilizado nos mecanismos de pesquisa da web.”

PageRank é o que tornou o Google tão único.

primeira patente do PageRank foi apresentada em 1º de setembro de 1998 e se tornou o algoritmo original utilizado pelo Google para calcular a importância de uma página e classificá-la. 

Basicamente, o Google foi criado com base na ideia de que as informações na web poderiam ser ranqueadas de acordo com a popularidade do link. Quanto maior a quantidade de links que apontam para uma página, melhor deveria ser sua classificação.

O Lançamento da Barra de Ferramentas Google

Em 2000, o Google lançou a barra de ferramentas que também é conhecida como Google Toolbar. Esse foi um dos marcos mais importantes do PageRank, porque permitia aos usuários checar a pontuação de qualquer página.

Como resultado disso, os profissionais de SEO se tornaram cada vez mais obcecados pelo PageRank como métrica para melhorar os ranqueamentos

Uma explicação de muitas pessoas no início dos anos 2000 é que sua meta era ter o maior número possível de links de páginas com o PageRank mais alto possível.

É claro que isso levou à manipulação do PageRank, com esquemas de trocas de links. Os links eram colocados em locais não naturais na página e em massa.

A patente original do PageRank de 1998 expirou em 2018 e, para a surpresa de muitos, não foi renovada.

Mais ou menos nessa época, um antigo funcionário do Google confirmou que o algoritmo original não era usado desde 2006.

Mas isso não significa que o PageRank está morto. Longe disso.

A patente original foi substituída por uma nova, que foi registrada pelo Google em 2006.

Essa nova patente faz referência a “sites sementes em ‘seed sets’ confiáveis” e os define como “…páginas de alta qualidade especialmente selecionadas que fornecem boa conectividade a outras páginas não-semente”. Ela oferece dois exemplos: o Diretório do Google (que ainda estava online quando a patente foi apresentada) e o The New York Times.

“[Sites sementes] precisam ser confiáveis, com diversidade suficiente para cobrir uma ampla variedade de campos de interesse público e terem boa conexão a outros sites. Eles devem ter muitos links úteis para outros sites para facilitar a identificação de outras páginas úteis e de alta qualidade, agindo como ‘hubs’ na web.”

A nova patente buscava atribuir uma pontuação a uma página com base na distância de um seed set. Dito isso, essa patente não faz referência, de fato, ao PageRank (ou afirma ser uma versão atualizada do algoritmo).

Em vez disso, a comunidade de SEO entendeu que ela age como um modificador do PageRank baseado na proximidade ao seed set dos sites 

Patente do Google PageRank

Depois de quase 15 anos, o Google deixou de atualizar a Barra de Ferramentas. (A última atualização confirmada foi em dezembro de 2013.) A empresa a aposentou de vez em 2016.

Claro, isso não significa que o Google parou de usar o PageRank como parte do algoritmo. Só que o PageRank deixou de ser uma métrica aberta ao público.

Por que o Google aposentou a barra de ferramentas do PageRank?

Os profissionais de SEO ficaram obcecados com o PageRank. E rapidamente ele se tornou a tática mais usada em SEO, na frente da criação de conteúdo e de uma boa experiência de usuário.

O problema: o PageRank público era mais fácil de ser manipulado pelos profissionais de SEO.

Eles sabiam como poderiam usar o PageRank para classificar melhor seus sites. E eles se aproveitaram disso.

Se analisarmos isso da perspectiva do Google, o problema era a barra de ferramentas do PageRank disponível ao público. Sem ela, não haveria como avaliar a autoridade de uma página de forma precisa (pelo menos não oficialmente). Então era mais difícil manipular a pontuação.

No fim, os profissionais de SEO abusaram do PageRank e o usaram para manipular as classificações. Isso foi, em grande parte, o que motivou o Google a aposentar a barra de ferramentas em 2016. 

Quando a patente foi apresentada e o algoritmo inicial do Google foi desenvolvido, o PageRank era baseado na teoria de que o link de um site para outro agia como um voto de confiança e autoridade.

E, portanto, quanto mais links (votos) apontam para uma página, mais confiável ela seria e, consequentemente, mais alta deveria ser sua classificação.

Mas, conforme definido no artigo original, “o PageRank amplia essa ideia ao não contar links de todas as páginas de maneira igual e ao normalizar o número de links em uma página.”

Um link não corresponde a um voto diretamente. A autoridade de uma página é levada em consideração. Um link de uma página com PR6 tem, essencialmente, um voto de mais autoridade do que de uma página com PR2.

E esse fluxo de PageRank entre as páginas às vezes é chamado pelos profissionais de SEO de “link juice”.

Vamos analisar os cálculos por trás do PageRank:

“Supomos que a página A tenha páginas T1…Tn que apontam para ela (ou seja, citações). O parâmetro d é um fator de amortecimento que pode ser definido entre 0 e 1. Normalmente, definimos d como 0,85. A próxima seção traz mais detalhes sobre o d. Além disso, C(A) é definido como o número de links que saem da página A. O PageRank de uma página A é atribuído da seguinte forma:
PR(A) = (1-d) + d (PR(T1)/C(T1) + … + PR(Tn)/C(Tn))
Observe que os PageRanks formam uma distribuição de probabilidade sobre as páginas, então a soma de todos os PageRanks das páginas será um.”

— A anatomia de um mecanismo de busca hipertextual, Sergey Brin e Larry Page

Em termos mais simples, o PageRank da Página B é calculado ao multiplicarmos o PageRank da Página A por 0,85. Isso é conhecido como fator de amortecimento (damping factor).

Se a Página B tem um link para a Página C, essa última recebe 85% do PageRank da B (72,25% da Página A).

Se uma página não tem nenhum link que aponte para ela, essa página não começa com um PR0, e sim PR0,15.

Mas tudo fica ainda mais complicado quando há mais de um link externo em uma página. Quanto mais links houver em uma página, mais seu poder será diluído.

Em outras palavras, é melhor para o SEO quando uma página tem links apenas para o seu site, em vez de muitos domínios diferentes.

Observação: os processos descritos acima fazem referência às informações de um artigo publicado pelos fundadores do Google em 1998. O PageRank e os algoritmos relacionados podem ter mudado desde então.

É claro que há e sempre houve fatores que influenciam o PageRank. Já falamos que nem todos os links são considerados igualmente em termos do PageRank que transmitem.

Mas quais são alguns dos fatores que podem influenciar o PageRank – ou que influenciaram no passado?

Analisaremos especificamente:

É necessário entender não apenas o que são esses fatores de influência, mas também como eles se aplicam ao SEO, quais você precisa usar e quais deve evitar.

Texto Âncora

O texto âncora é o texto no qual um link é colocado.

O artigo original do Google dizia que “o texto dos links é tratado de forma especial pelo nosso mecanismo de pesquisa” e que “muitas vezes, as âncoras fornecem descrições mais precisas das páginas do que as próprias páginas.”

No início do Google, o texto âncora tinha influência determinante na classificação de uma página.

Se você quisesse ranquear com o termo “sapatos vermelhos”, quanto mais links que usassem esse termo como texto âncora você tivesse, mais alta poderia ser sua classificação (teoricamente).

O link building virou uma corrida entre os profissionais de SEO para saber quem ganharia o maior número possível de textos âncora com correspondência exata de páginas com PageRank alto. 

Funcionou por algum tempo, mas era uma clara manipulação das diretrizes do Google.

Trazendo para os dias de hoje, o Google considera a manipulação de texto âncora uma forma de spam de links. Esta prática pode levar a uma penalidade manual que prejudica suas classificações.

A probabilidade de um link ser clicado é uma das principais influências do PageRank e é mencionada na patente “reasonable surfer” do Google (de 2004).

O algoritmo original do PageRank atribuía um peso igual aos links em uma página. Já essa patente indica que nem todos os links têm a mesma probabilidade de serem clicados que outros. Por isso, atribui valores diferentes a eles. 

Por exemplo, os links nos locais a seguir têm menos probabilidade de serem clicados do que os links em locais de destaque. E por isso têm menos peso.

  • Páginas de termos de serviço
  • Anúncios em banner
  • Rodapé do site

Links internos são links entre páginas do seu próprio site. (Ao contrário de backlinks, que são links de outros domínios para as suas páginas).

Links internos são uma tática de SEO poderosa, e há um bom motivo para isso.

A ideia é ajudar o PageRank a fluir através do seu site com uma estrutura de links robusta.

É uma boa maneira de direcionar autoridade para páginas órfãs – páginas que não recebem links de nenhum outro lugar.

Você pode saber mais sobre como usar essa tática de forma eficiente no nosso guia de links internos.

Dica: a ferramenta Auditoria do Site da Semrush inclui um relatório de links internos que ajuda a identificar links quebrados, páginas órfãs, texto âncora de baixa qualidade e muito mais.

relatório de links internos na ferramenta auditoria de site

Os links nofollow são links que contêm o atributo rel=”nofollow”. Originalmente, os links nofollow não transmitiam PageRank.

Historicamente, os profissionais de SEO usavam o atributo nofollow para “esculpir” o fluxo do PageRank. Essa prática ficou conhecida como “PageRank sculpting”.

Quem fazia isso escreveria, por exemplo, guest posts com links para cinco sites diferentes e colocar nofollow em todos os links, exceto aquele que aponta para seu próprio site. Isso garantia que eles recebessem toda a autoridade do link.

Em 2009, Matt Cutts do Google confirmou que isso deixaria de funcionar, porque o PageRank seria diluído pela presença de links nofollow.

Em 2019, o Google anunciou que trataria os atributos nofollow como sugestões. Em outras palavras, decidiria se esses links deveriam ou não passar PageRank.

Saiba mais sobre links nofollow, patrocinados e UGC.

Só porque não existe mais uma barra de ferramentas que informa o PageRank de uma página não significa que ele não seja mais usado.

Em 2017, Gary Illyes do Google confirmou no Twitter que o algoritmo ainda usa o PageRank.

Screenshot do tweet de Gary Illyes

John Mueller do Google confirmou isso em 2020:

Screenshot do tweet de John Mueller

No entanto, o algoritmo do PageRank é muito diferente do que era originalmente. Como escreveu Matt Cutts do Google, em 2009.

“Embora ainda nos referimos a ele como PageRank, a capacidade do Google de calcular a reputação com base em links avançou consideravelmente ao longo dos anos.”

— Matt Cutts

O PageRank nunca se foi, e entender como ele funciona colabora para você ser um melhor profissional de SEO.

O Google não possui software oficial que permita medir o PageRank.

No entanto, o Authority Score da Semrush fornece uma alternativa para avaliar a possibilidade de classificação do seu site.

O Authority Score é uma pontuação que avalia a qualidade geral de um site e indica o impacto que um backlink do site pode ter no seu SEO.

Definitivamente, não é um substituto direto do PageRank. Mas o Authority Score pode fornecer o mesmo tipo de informação que a barra de ferramentas do PageRank costumava fornecer.

A pontuação (de 0 a 100) é baseada em:

  • Link Power: qualidade e quantidade de backlinks
  • Tráfego orgânico: média mensal estimada de tráfego de pesquisa orgânica
  • Fatores de spam: indicadores de um perfil de link com spam X natural

Você pode verificar o Authority Score dos seus concorrentes com a ferramenta Análise de Backlinks da Semrush.

Basta digitar uma URL e clicar em “Analisar”.

ferramenta análise de backlinks

Você pode adicionar até quatro concorrentes para comparar o Authority Score e acessar outras métricas importantes.

comparando o Authority Score com concorrentes

A ferramenta Backlink Audit da Semrush ajuda você a monitorar seu Authority Score e seus backlinks.

Assim que você terminar a configuração, a aba “Visão geral” mostra a tendência da sua pontuação.

aba "visão geral" na ferramenta Backlink Audit

Use o relatório “Auditoria” para revisar os backlinks que você recebeu.

ana "auditoria" na ferramenta Backlink Audit

Observação: o Authority Score usa dados de backlink como parte do algoritmo de pontuação, mas não pretende substituir o Google PageRank. Em vez disso, pode ajudar a avaliar oportunidades de links e comparar seu domínio com o dos concorrentes.

Lembre-se de que métricas de terceiros não são utilizadas nos algoritmos do Google. Um Authority Score mais alto não significa, necessariamente, uma classificação mais alta.

Para melhorar seu PageRank, você precisa melhorar seus links internos e conseguir backlinks de alta qualidade para o seu site.

Existem muitas estratégias de link building que você pode usar, como:

  • Outreach: compartilhe seu conteúdo com pessoas e sites que possam ter interesse fazer um link para ele
  • Link building de links quebrados: encontre backlinks quebrados e peça aos proprietários dos sites onde eles estão para corrigi-los
  • Guest post: escreva conteúdo de alta qualidade para sites relevantes

Como alternativa, use a ferramenta Link Building Tool da Semrush.

A ferramenta analisa os perfis dos seus concorrentes para encontrar oportunidades de links e ajuda você a gerenciar todo o processo de link building.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.